29 de junho de 2021

As tecnologias complementares à nutrição do amendoim serão apresentadas no 17º Agronegócios Copercana

As tecnologias complementares à nutrição do amendoim serão apresentadas no 17º Agronegócios Copercana

O Estado de São Paulo destaca-se como o maior produtor de amendoim do Brasil, sendo destinado principalmente para a venda e consumo in natura, matéria-prima para indústria de alimentos, fabricação de óleo e exportação e a utilização de tecnologias complementares à nutrição da oleaginosa é muito importante.

Na Live realizada na tarde desta terça-feira (29) pela Copercana na plataforma digital do Agronegócios Copercana,  o Prof. titular da FCA/Unesp de Botucatu, Carlos Crusciol enriqueceu ainda mais a 17ª edição do Agronegócios Copercana com seus conhecimentos em grãos. Nesta apresentação, em especial, abordou o tema - “Tecnologias Complementares à Nutrição do Amendoim”, as recomendações de adubação via solo e foliar para a cultura. Também marcaram presença e interagiram com o professor, o diretor comercial agrícola da Copercana, Augusto Cesar Strini Paixão e o engenheiro agrônomo encarregado de projetos da Copercana, Edgard Matrangolo Júnior.   

“O amendoim tem um ciclo relativamente maior que a soja e passa por estresse hídrico, veranico. É importante destacar que podem ser usadas algumas tecnologias via folha para aliviar estresse e melhorar a qualidade e uniformidade de maturação”, disse Crusciol que também pontuou como tecnologias complementares - a adubação foliar; a utilização de ácidos orgânicos, de aminoácidos; de fitohormônios; de inoculantes; micronutrientes e alguns elementos benéficos que tem entrado como nutrição complementar ou tecnologias complementares. 

O professor destacou ainda que o uso de tecnologia complementares à nutrição na cultura do amendoim possibilita: maior desenvolvimento do sistema radicular; maior exploração do solo; resistência e tolerância a estresses biótico a estresse hídrico (pragas e doenças), resistência e tolerância a estresse abiótico (estresse hídrico e salinidade e alta temperatura); e biocontrole e indução de resistência sistêmica porque mexe diretamente na parte hormonal.   

Na oportunidade, o professor também apresentou resultados de vários trabalhos feitos no Brasil e nos Estados Unidos e na ocasião foi questionado por Paixão a respeito do trabalho apresentado. O diretor quis saber se no caso do cálcio, boro, magnésio e zinco, já existiam formulações que poderiam ser aplicadas diretamente a planta pela quantidade da dosagem. 

De pronto Crusciol explicou que existem poucos trabalhos de nutrição foliar no amendoim, mas disse acreditar que essa aplicação atua muito mais como um estímulo, um sinalizador na planta. 

O diretor comercial da Copercana aproveitou para falar sobre o Projeto Amendoim que iniciou em 2004 que sempre contou com parcerias de sucesso desde a sua implementação dentre os parceiros o professor Crusciol.  “A princípio quando começamos a implantar esse projeto, plantávamos 10 mil hectares e produzíamos 100 sacas por hectare, então produzíamos 1 milhão de sacas. Com todo o trabalho que fomos desenvolvendo junto as nossas parcerias hoje com os mesmos 10 mil hectares produzimos 2 milhões de sacas, praticamente dobramos a quantidade produzida  de amendoim nesse projeto da Copercana”.  

Perdeu essa live? Não tem problema...  ASSISTA AQUI.

 

 

Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços. Ao utilizar
nossos serviços, você concorda com tal monitoramento. Saiba mais em nossa política de privacidade.